Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MÁRIO SILVA - Fotografia, Pintura & Escrita

*** *** A realidade é a "minha realidade" em imagens (fotografia, pintura) e escrita

28
Abr24

Andar de moto - entre o Perigo e o Prazer


Mário Silva Mário Silva

Andar de moto

entre o Perigo e o Prazer

A28 DSC06656_ms

Andar de moto: uma experiência que oscila entre o perigo e o medo, de um lado, e o prazer, a liberdade e a libertação de adrenalina, do outro. É uma atividade que exige cautela e responsabilidade, mas que também pode proporcionar momentos inesquecíveis e sensações únicas.

O lado obscuro:

Risco de acidentes: As motos, por serem menores e menos visíveis que os carros, estão mais propensas a se envolver em acidentes. As consequências podem ser graves, com lesões ou até mesmo a morte.

Exposição aos elementos: O motociclista está diretamente exposto ao clima, seja sol escaldante, chuva torrencial ou vento forte. Isso exige cuidado redobrado e equipamentos adequados para garantir segurança e conforto.

Vulnerabilidade: Em caso de queda, o motociclista não tem a mesma proteção que os ocupantes de um carro. O uso de equipamentos de segurança, como capacete, jaqueta, calças e botas de couro, é crucial para minimizar os riscos.

O lado luminoso:

Liberdade e autonomia: Andar de moto proporciona uma sensação de liberdade e autonomia incomparáveis. Você define o seu ritmo, o seu trajeto e o seu destino, explorando novos lugares e vivendo aventuras sem limites.

Conexão com a natureza: Ao pilotar uma moto, você conecta-se com a natureza de forma intensa. Sente o vento no rosto, o sol na pele e a adrenalina pulsando nas veias, criando uma experiência sensorial única.

Prazer e adrenalina: Conduzir uma moto proporciona momentos de pura adrenalina e prazer. A aceleração, a velocidade e o controle da máquina geram uma sensação de liberdade e empoderamento que vicia os apaixonados por esse meio de transporte.

Encontrando o equilíbrio:

Para aproveitar ao máximo os benefícios de andar de moto, é fundamental encontrar o equilíbrio entre o perigo e o prazer. Isso significa:

Treino e conhecimento; Equipamentos adequados; Consciência e responsabilidade; Planeamento e precaução.

.

Andar de moto pode ser uma experiência incrível e enriquecedora, desde que esteja ciente dos riscos e tome as devidas precauções.

Ao combinar responsabilidade, conhecimento e paixão pela condução, você poderá desfrutar de todos os benefícios que este tipo de condução oferece, explorando o mundo com liberdade, adrenalina e prazer.

.

Texto & Fotografia: ©MárioSilva

.

.

Mário Silva 📷
25
Abr23

25 de Abril de 1974  - Revolução dos Cravos


Mário Silva Mário Silva

25 de Abril de 1974 

Revolução dos Cravos

 

.

O Movimento das Forças Armadas (MFA) derrubou o Governo de Marcelo Caetano a 25 de Abril de 1974, pondo fim a 48 anos de regime ditatorial.

O objetivo dos capitães era acabar com a guerra colonial, iniciada 13 anos antes, e prometiam eleições livres e um regime democrático.

1974

24 de abril

22h00 – No Regimento de Engenharia 1 na Pontinha é instalado o Posto de Comando do MFA, onde a essa hora já estão seis oficiais, incluindo Otelo Saraiva de Carvalho, que vai liderar as operações.

22h55 – As operações militares começam. Uma das senhas, a canção "E depois do Adeus", cantada por Paulo de Carvalho, é emitida pelos Emissores Associados de Lisboa.

25 de abril

00h20 – É transmitida a canção "Grândola, Vila Morena", de José Afonso, no programa Limite, da Rádio Renascença. Foi a senha escolhida pelos militares do MFA para confirmar que as operações militares estão em marcha e são irreversíveis.

A partir das 00h30 – Começam as operações para ocupar os locais estratégicos considerados fundamentais no plano de Otelo Saraiva de Carvalho, como a RTP, Emissora Nacional, Rádio Clube Português (RCP), Aeroporto de Lisboa, Quartel-General, Estado-Maior do Exército, Ministério do Exército, Banco de Portugal e Marconi.

03h45 – Primeiro comunicado do MFA difundido pelo Rádio Clube Português.

05h45 – Forças da Escola Prática de Cavalaria de Santarém, comandadas pelo capitão Salgueiro Maia, estacionam no Terreiro do Paço, em Lisboa.

09h00 – Fragata "Gago Coutinho" toma posição no Tejo, em frente ao Terreiro do Paço.

11h45 – O MFA anuncia ao país, através de um comunicado no RCP, que domina a situação de Norte a Sul.

12h30 – As tropas de Salgueiro Maia cercam o Largo do Carmo e recebem ordens para abrir fogo sobre o Quartel da GNR para obter a rendição de Marcelo Caetano. Além do presidente do Conselho, no quartel estão mais dois ministros do seu Governo. Vivem-se momentos de tensão no largo, onde centenas de pessoas acompanham os acontecimentos.

15h30 – As forças de Maia chegam a disparar contra a fachada do quartel para forçar a rendição de Marcelo Caetano.

16h30 – Depois de expirar o prazo inicial para a rendição anunciado por megafone pelo capitão Salgueiro Maia e de negociações, Marcelo Caetano anuncia rendição e pede que um oficial do MFA de patente não inferior a coronel se apresente no quartel.

17h45 – O general António de Spínola, mandatado pelo MFA, vai negociar a rendição do Governo no quartel do Carmo. É hasteada a bandeira branca.

18h30 – A chaimite "Bula" entra no quartel e retira Marcelo Caetano e mais dois ministros, Rui Patrício e Moreira Baptista. São transportados para o Posto de Comando do MFA, no Quartel da Pontinha.

20h00 – Da sede da Rua António Maria Cardoso, agentes da PIDE/DGS disparam sobre manifestantes que se concentraram junto ao edifício. Registam-se quatro mortos e 45 feridos.

20h05 – É lida, através dos emissores do RCP, a Proclamação do Movimento das Forças Armadas.

26 de abril

01h30 – É finalmente apresentada a Junta de Salvação Nacional, que inclui o capitão-de-fragata Rosa Coutinho, coronel Galvão de Melo, general Costa Gomes, brigadeiro Jaime Silvério Marques, capitão-de-mar-e-guerra Pinheiro de Azevedo e o general Manuel Diogo Neto. Todos, exceto Diogo Neto, são filmados pelas câmaras da RTP. Spínola lidera.

07h40 – Marcelo Caetano, o Presidente Américo Thomaz, o ministro César Moreira Baptista e outros elementos do anterior Governo partem da Portela com destino à ilha da Madeira.

09h45 – Rendição da PIDE/DGS.

13h00 – Começa a libertação dos presos políticos de Caxias e Peniche.

Até novembro de 1975, procedeu-se à descolonização. As colónias africanas tornaram-se países independentes – Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

O país viveu, até finais de 1975, o chamado Processo Revolucionário em Curso (PREC), assistiu a várias tentativas de golpe, e elegeu uma Assembleia Constituinte, em que o PS teve 37,8% e o PCP 12,4%.

.

In: 25 de abril de 1974

.

Video:

Realização de ©MárioSilva

.

 

Mário Silva 📷
25
Abr22

O que foi o 25 de abril de 1974?


Mário Silva Mário Silva

 

O que foi o 25 de abril de 1974?

 

Os populares juntaram-se aos militares e deu-se a revolução dos cravos. Descobre como tudo aconteceu!

25 de Abril de 1974. De madrugada, militares do MFA (Movimento das Forças Armadas) ocuparam os estúdios do Rádio Clube Português e, através da rádio, explicaram à população que pretendiam que o País fosse de novo uma democracia, com eleições e liberdades de toda a ordem. Inclusive, foram postas no ar músicas de que a ditadura não gostava, como Grândola Vila Morena, de Zeca Afonso.

Ao mesmo tempo, uma coluna militar com tanques, comandada pelo capitão Salgueiro Maia, saiu da Escola Prática de Cavalaria, em Santarém, e marchou para Lisboa. Na capital, tomou posições junto dos ministérios e depois cercou o quartel da GNR do Carmo, onde se tinha refugiado Marcelo Caetano, o sucessor de Salazar à frente da ditadura.

Durante o dia, a população de Lisboa foi-se juntando aos militares. E o que era um golpe de Estado transformou-se numa revolução. A certa altura, uma vendedora de flores começou a distribuir cravos. Os soldados enfiaram o cravo no cano da espingarda e os civis puseram a flor ao peito. Por isso, hoje em dia lhe chamamos Revolução dos Cravos. Foram dados alguns tiros para o ar, mas ninguém morreu nem foi ferido: foi uma revolução pacífica, como nunca existiu na história.

Ao fim da tarde, Marcelo Caetano (o último Presidente do Estado Novo) rendeu-se e entregou o poder ao general Spínola, que, embora não pertencesse ao MFA, não pensava da mesma maneira que o governo acerca das colónias. Um ano depois, a 25 de Abril de 1975, os portugueses votaram pela primeira vez em liberdade desde há muitas décadas.

_____   visao.sapo.pt   _____

.

.

Video: Montagem e realização: ©MárioSilva

.

Mário Silva 📷
25
Abr14

40 anos desde a revolução dos Cravos de 25de abril de 1974 - DIA DA LIBERDADE


Mário Silva Mário Silva

40 anos
desde a
Revolução dos Cravos
(25 de abril de 1974)

CANTAR A LIBERDADE

 

«Trova do Vento que Passa»

 

Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.

 

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.

 

Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.

 

Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.

 

Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio -- é tudo o que tem
quem vive na servidão.

 

Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.

 

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

 

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.

 

Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

 

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.

 

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.

 

Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.

 

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

 

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.

 

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Manuel Alegre

Mário Silva 📷
25
Abr12

Águas Frias (Chaves) - 25 de Abril


Mário Silva Mário Silva

Hoje comemora-se o 25 de Abril que em 1974 que devolveu a liberdade a um povo oprimido.

 

 

Relembro esta data pois foi depois dela que se deu oportunidade como esta, a divulgação de um blog, sem qualquer restrição ou sensura, sendo a responsabilidade do que escrevo ou publico da minha inteira responsabilidade e dando oportunidade a que quem quer que seja, possa emitir as suas opiniões e sugestões sobre o mesmo.

 

 

25 de abril

 

 

Dia da Liberdade

 

 

 

 

 

Mário Silva 📷

Águas Frias - Fevereiro 2024

Mais sobre mim

foto do autor

LUMBUDUS

blog-logo

Hora em PORTUGAL

Calendário

Junho 2024

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

O Tempo em Águas Frias

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.