Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MÁRIO SILVA "navegando" em ... águas frias

"Navegando" no Reino Maravilhoso por Terras de Monforte, especialmente na Aldeia de Águas Frias - Chaves - Trás-Os-Montes - PORTUGAL

MÁRIO SILVA "navegando" em ... águas frias

"Navegando" no Reino Maravilhoso por Terras de Monforte, especialmente na Aldeia de Águas Frias - Chaves - Trás-Os-Montes - PORTUGAL

22
Fev20

Águas Frias (Chaves) - ... a névoa ... o "mar" de Trás-Os-Montes ...


Mário Silva Mário Silva

 

... a névoa ...

... o "mar" de Trás-Os-Montes ...

 

Águas Frias (Chaves) - ... a névoa - o mar de Trás-Os-Montes ...... a névoa - o mar de Trás-Os-Montes ...

 

Desce a névoa da montanha

 

Águas Frias (Chaves) - ... é preciso limpar o terreno das ervas daninhas, para se poder iniciar as sementeiras e plantações ...

 ... é preciso limpar o terreno das ervas daninhas, para se poder iniciar as sementeiras e plantações ...

 

“A névoa involve a montanha,
Húmido, um frio desceu.
O que é esta mágoa estranha
Que o coração me prendeu?

 

Águas Frias (Chaves) - ... uma casa que ainda nos relembra o passado da Aldeia ...

... uma casa que ainda nos relembra o passado da Aldeia ...

 

Parece ser a tristeza
De alguém de quem sou actor,
Com fantasiada viveza
Tornada já minha dor.

Águas Frias (Chaves) - ... os pote de ferro, em lareira limpa ...

... os potes de ferro, em lareira limpa ...

 

Mas, não sei porquê, me dói
Qual se fora eu a ilusão;
E há névoa em tudo o que foi
E frio em meu coração.”

Novas Poesias Inéditas. Fernando Pessoa

Águas Frias (Chaves) - ... a igreja matriz banhada pela luz brilhante dos esporádicos raios de sol ...... a igreja matriz banhada pela luz brilhante dos esporádicos raios de sol ...

 

Em 1930, Fernando Pessoa publicou num do jornal açoriano um poema até então inédito. “Névoa” apareceu junto a “Minuete Invisível”, que tinha sido apresentado pela primeira vez no primeiro (e único) número da Portugal Futurista, e a um texto de apresentação assinado pelo jornalista Rebelo de Bettencourt.

 

Águas Frias (Chaves) - ... o gato apanhando os preciosos raios de sol em dias de inverno ...

... o gato apanhando os preciosos raios de sol em dias de inverno ...

 

Depois dessa data, o poema não voltou a ser publicado. Caiu no esquecimento, até que um investigador o encontrou, por acaso, mais de 80 anos depois.

Águas Frias (Chaves) - ... uma antiga varanda (que penso que já não existe) ....... uma antiga e tradicional varanda transmontana (que penso que já não existe) ....

 

Agora, entrou finalmente para o corpus pessoano, ao ser incluído no mais recente volume da edição crítica da Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM).

 

Águas Frias (Chaves) - ... o pôr do sol, atrevido, em dias de inverno ...

... o flamejante pôr do sol, atrevido, em dias de inverno ...

 

 

Até breve !!!

 

 

 

 

 

 

 

01
Fev20

Águas Frias (Chaves) - ... Quando está frio no tempo do frio ...


Mário Silva Mário Silva

 

Quando Está Frio

no Tempo do Frio

 

Águas Frias (Chaves) - ... o branco é a cor dominante em dias de nevada ...

... o branco é a cor dominante em dias de nevada ...

 

"Quando está frio no tempo do frio, para mim é como se estivesse agradável,
Porque para o meu ser adequado à existência das cousas
O natural é o agradável só por ser natural.
 

Águas Frias (Chaves) - ... a importância da caixa de correio ...

... a importância da caixa de correio ...

 

Aceito as dificuldades da vida porque são o destino,
Como aceito o frio excessivo no alto do Inverno —
Calmamente, sem me queixar, como quem meramente aceita,
E encontra uma alegria no facto de aceitar —
No facto sublimemente científico e difícil de aceitar o natural inevitável.
 
 
 

Águas Frias (Chaves) - ... o ferrolho (a fechadura que não precisava de código nem ligação à Central de Segurança) ...

 ... o ferrolho (a fechadura que não precisava de código nem ligação à Central de Segurança) ...

 

Que são para mim as doenças que tenho e o mal que me acontece
Senão o Inverno da minha pessoa e da minha vida?
O Inverno irregular, cujas leis de aparecimento desconheço,

Mas que existe para mim em virtude da mesma fatalidade sublime,
Da mesma inevitável exterioridade a mim,Que o calor da terra no alto do Verão
E o frio da terra no cimo do Inverno.
 

Águas Frias (Chaves) - ... carregando os fardos de feno para as vacas ...

... carregando os fardos de feno para as vacas ...

 
 

Aceito por personalidade.
Nasci sujeito como os outros a erros e a defeitos,
Mas nunca ao erro de querer compreender demais,
 
 

Águas Frias (Chaves) - ... uma casa, restaurada, na Aldeia ...

... uma casa, restaurada, na Aldeia ...

 
 

Nunca ao erro de querer compreender só corri a inteligência,
Nunca ao defeito de exigir do Mundo
Que fosse qualquer cousa que não fosse o Mundo."

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
Heterónimo de Fernando Pessoa
 

Águas Frias (Chaves) - ... o cavalo que interrompeu a sua refeição para posar para a foto ...

... o cavalo que interrompeu a sua refeição para posar para a foto ...

 
 
 
Até breve!!!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
11
Jan20

Águas Frias (Chaves) ... Chove. Há Silêncio ...


Mário Silva Mário Silva

 

Chove.

Há Silêncio ....

 

Águas Frias (Chaves) - um "velho" puxador ... numa antiga porta ... ...

... um "velho" puxador ... numa antiga porta ...

 

"Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego..".

 

 

 

Aguas Frias (Chaves) - ... A cancela meio aberta ou ... meio fechada ...

... A cancela meio aberta ou ... meio fechada ...

 

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

 

Aguas Frias (Chaves) - ... um olhar restrito, para a Aldeia ...

... um olhar restrito, para a Aldeia ...

 

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

 

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

Aguas Frias (Chaves) - ... a fonte ... que já foi de muito valor para a Aldeia mas que só ficou na memória dos mais antigos, da sua importância e valor para a Aldeia de então ...

... a fonte ... que já foi de muito valor para a Aldeia mas que só ficou na memória dos mais antigos, da sua importância e valor para a Aldeia de antão ..

 

 

 

Dias de hibernar
 
Inverno: frio... Chuva...
Hora de resgatar cachecol, luva
Botas, casacos... Pura elegância!
E neste quesito, já tenho vivência.
Bom seria não ter que sair.

 

 

Aguas Frias (Chaves) - ... uma casa restaurada em cor vibrante ...

... uma casa restaurada ... em cor vibrante ...

 

Um café ou chá quentes
O escalda-pé ou aspirina
O inverno nos deixa dormentes
Apegados à cama, é sina.

 

Aguas Frias (Chaves) - ... o cordeiro e a Aldeia como fundo ...

... o cordeiro e a Aldeia como fundo ...

 

 

Ainda que o frio lá fora
Embace o vidro e a alma
O sereno fino cai e chora
A solidão da noite calma.

 

Aguas Frias (Chaves) - ... pôr do sol neste pequena, mas bela Aldeia transmontana ...

... pôr do sol neste pequena, mas bela Aldeia transmontana ...

 

 

No termômetro: grau negativo
O nevoeiro lá fora anuncia:
Não há nada mais convidativo
Que vinho em boa companhia.
 
Giancarlo Kind Schmid
 
 
 
 
Até breve !!!
 
 
 
 
 
 
 
28
Set15

Águas Frias (Chaves) - ..."Eu Sou do Tamanho do que Vejo" - Alberto Caieiro (Fenando Pessoa)


Mário Silva Mário Silva

Eu Sou do Tamanho do que Vejo

Águas Frias (Chaves) - ... a vide vestida com as cores de outono ...

Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo...
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não, do tamanho da minha altura...
Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.

 

Águas Frias (Chaves) - ... rebanho pastando tranquilamente .. num dia de outono ...

 


Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver.

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema VII"
Heterónimo de Fernando Pessoa

 

Águas Frias (Chaves) - ...as bagas vermelhas ...

Águas Frias (Chaves) - ... pêssegos ...

Águas Frias (Chaves)  - ... olhando o céu ...

Águas Frias (Chaves) - ... a fraga, o armazém e o Castelo no alto da colina ...

Águas Frias (Chaves) - ... maçã a "amadurar"

 

Águas Frias (Chaves) - ... trevo de 4 folhas ... desejo de boa sorte ...

... Trevo de 4 folhas ... desejo de muita Sorte ...

08
Nov14

Águas Frias (Chaves) - 2 poemas sobre o tema "Outono" e algumas imagens da "nossa" Aldeia


Mário Silva Mário Silva

 

 

 

Uma névoa de Outono o ar raro vela

 

 

 

 

Águas Frias (Chaves) - ... vista geral no vale ...

 

Uma névoa de Outono o ar raro vela,
Cores de meia-cor pairam no céu.
O que indistintamente se revela,
Árvores, casas, montes, nada é meu.

 

Águas Frias (Chaves) - ... bagas vermelhas em dia de outono ...

 

Sim, vejo-o, e pela vista sou seu dono.
Sim, sinto-o eu pelo coração, o como.
Mas entre mim e ver há um grande sono.
De sentir é só a janela a que eu assomo.

 

Águas Frias (Chaves) - ... campo de milho ...

 


Amanhã, se estiver um dia igual,
Mas se for outro, porque é amanhã,
Terei outra verdade, universal,
E será como esta [...]

 

Fernando Pessoa (5-11-1932)

 

 

Águas Frias (Chaves) - ... folhas com cores outonais

 

 

 

 

O OUTONO E NÓS, SERES OUTONAIS

Foi-se embora o espalhafatoso verão!

 

Águas Frias (Chaves) - ... o último cacho de uvas ...

 


De dentro do eterno ciclo da natureza retornou o outono, sereno e calmo!

“La belle season” é como batizaram os franceses esta estação que nos descortina as renovadas-vestes-da-divindade presentes na natureza.

 

Águas Frias (Chaves) - ... um caminho ...

Outono é uma parábola de nós mesmos, seres outonais! Suas manhãs são mais poéticas e os seus crepúsculos são mais filosóficos. Aquelas são belas em sua melancolia. Estes são melancólicos em sua beleza. Assim, somos todos nós.

 

Águas Frias (Chaves) - ... o Venâncio e o seu trator ...

 
Creio que é no outono que entendemos melhor o ensinamento de Oscar Wilde: “ser como crianças, para não esquecermos o valor do vento no rosto e ser como velhos para que nunca tenhamos pressa".

 

Águas Frias (Chaves) - ... as couves na horta ...

 


Isso é sabedoria. E se nos tornarmos mais sábios, já não precisaremos mais ter medo de envelhecer. Afinal, a vida também é um eterno renascer.

 

Águas Frias (Chaves) - ... vista parcial da Lampaça ...

 

Coisa que só o outono ensina. O resto são folhas mortas.

 

Carlos Alberto Rodrigues Alves

 

 

Águas Frias (Chaves) - ... a extinta escola ... (saudades) ...

                    A escola de Águas Frias já passou lindas primaveras, alegres verões, passou pelo outono de vida e agora está na agonia do Inverno .....             

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

07
Mai11

Águas Frias (Chaves) Rua Cimo de Vila - Parte I


Mário Silva Mário Silva

 

 

 

Vamos continuar a visitar mais uma Rua desta pequena mas bela Aldeia de Águas Frias.

 

 

Hoje iremos fazer uma pequena incursao pela Rua Cimo de Vila.

Esta artéria tem início na Rua 1.º de Maio e vai até à estrada nacional 103.

 

 

 

 

 

Iremos acompanhar as imagens com o poema "Realidade" de Álvaro de Campos, (heterónimo de Fernando Pessoa) in "Poemas".

 

 

 

 

REALIDADES

 

Sim, passava aqui frequentemente há vinte anos...

Nada está mudado — ou, pelo menos, não dou por isto —

Nesta localidade da aldeia...

 

 

 

 

Há vinte anos!...

O que eu era então! Ora, era outro...

Há vinte anos, e as casas não sabem de nada...

 

 

 

 

 

 

Vinte anos inúteis (e sei lá se o foram!

Sei eu o que é útil ou inútil?)...

Vinte anos perdidos (mas o que seria ganhá-los?)

 

 

 

 

 

 

 

Tento reconstruir na minha imaginação

Quem eu era e como era quando por aqui passava

Há vinte anos...

Não me lembro, não me posso lembrar.

 

 

 

 

 

O outro que aqui passava, então,

Se existisse hoje, talvez se lembrasse...

Há tanta personagem de romance que conheço melhor por dentro

De que esse eu-mesmo que há vinte anos passava por aqui!

 

 

 

 

 

 

Sim, o mistério do tempo.

Sim, o não se saber nada,

Sim, o termos todos nascido por aqui (ou não)

Sim, sim, tudo isso, ou outra forma de o dizer...

 

 

 

 

 

 

Daquela janela do primeiro andar, ainda idêntica a si mesma,

Debruçava-se então uma rapariga mais velha que eu, mais

lembradamente de azul.

 

 

 

 

Hoje, se calhar, está o quê?

Podemos imaginar tudo do que nada sabemos.

Estou parado física e moralmente: não quero imaginar nada...

 

 

 

 

 

 

 

Houve um dia em que subi esta rua pensando alegremente no futuro,

Pois Deus dá licença que o que não existe seja fortemente iluminado,

Hoje, descendo esta rua, nem no passado penso alegremente.

Quando muito, nem penso...

Tenho a impressão que as duas figuras se cruzaram na rua, nem então nem agora,

Mas aqui mesmo, sem tempo a perturbar o cruzamento.

 

 

 

 

 

 

Olhamos indiferentemente um para o outro.

E eu o antigo lá subi a rua imaginando um futuro girassol,

E eu o moderno lá desci a rua não imaginando nada.

 

 

 

 

 

Talvez isso realmente se desse...

Verdadeiramente se desse...

Sim, carnalmente se desse...

 

 

 

Sim, talvez...

 

 

Álvaro de Campos, in "Poemas"

Heterónimo de Fernando Pessoa

 

 

 

 

 

 

Bom ... o poema já terminou e ainda vamos a meio caminho da Rua Cimo de Vila.

 

 

 

 

 

 E ... agora que ela começa a subir ...

 

 

 

 

 

 

... vamos ganhar "fôlego" para descobrir, no próximo "post", outros recantos e encantos desta Rua de Cimo de Vila de Águas Frias.

 

 

Até breve ...